Como actualizar o Red Hat Enterprise Linux (RHEL) ou o CentOS sem mudar de “minor version”

Se és um administrador de sistemas Linux, ou mesmo um “mero” utilizador, e utilizas ou já utilizaste sistemas tipo Red Hat, provavelmente já reparaste que ao fazer “yum update” o sistema frequentemente muda de versão (ex. 6.7 para 6.9). Para ser exacto, o comando actualiza o sistema para a última “minor version” (o número depois do ponto) da “major version” (o número antes do ponto) actualmente instalada.

Talvez já tenhas perguntado a ti mesmo se não é possível fazer uma actualização ao sistema que “pare” antes de mudar a versão. Mais frequentemente, terão sido outros a pedir-te isso: um chefe medroso, ou uma equipa aplicacional que dê importância a questões tipo “o fabricante diz que só suporta até à versão 7.1, não podemos passar disso”.

Antes de continuar, tenho de dizer que não há em geral nenhuma razão técnica para fazer isto (com algumas excepções mencionadas por um comentador na versão original deste artigo), e espero que tenhas chegado aqui porque um chefe, gestor de projecto ou developer o exigiu, e não trabalhas (“ainda”, espero 🙂 ) num sítio onde possas dizer “não, isso é estúpido, não o vou fazer“, ou simplesmente por curiosidade científica.

As “minor versions” do Red Hat (ou CentOS) não são realmente “versões” no significado habitual da palavra, em que são incluídas novas versões de aplicações, libraries, etc., com possíveis questões de compatibilidade. Ao invés disso (com algumas excepções em geral relacionadas com o uso como desktop, como por exemplo web browsers), a Red Hat tem o cuidado de  resolver problemas de segurança e outros bugs. Se olhares para as versões dos pacotes, quer estejas num Red Hat 6.0 ou 6.9, elas mantêm-se sempre, só aumentando o “número Red Hat” (ex. file-5.11-21.el7). Devido a isto, não se põem questões de compatibilidade; podem apenas haver questões de “suporte oficial”, o que em geral é sinónimo de “testámos o nosso produto com esta versão, e não queremos ter trabalho de o testar com outras.”

Desculpem o desabafo. 🙂 Portanto, sendo tu um sysadmin competente, vou assumir que te estão a obrigar a fazer isto. Eis como:

Com o Satellite:

Para ver que versões estão disponíveis:

subscription-manager release --list

Exemplo:

# subscription-manager release --list
+-------------------------------------------+
 Available Releases
+-------------------------------------------+
5.11
5Server
6.2
6.7
6.8
6.9
6Server
7.0
7.1
7.2
7.3
7Server

Para “trancar” o sistema numa versão (ex. 7.1):

subscription-manager release --set=7.1

E para “destrancar”:

subscription-manager release --unset

(ou talvez –set=7Server)

Sem o Satellite:

Para uma única actualização, adiciona –releasever=x.y ao teu comando “yum”; por exemplo:

yum --releasever=7.1 update

Para tornar isso permanente, adiciona:

distroverpkg=x.y

à secção [main] do teu ficheiro /etc/yum.conf.

Nota: pelo menos no caso do CentOS, desde a versão 7 que as versões não são apenas “x.y”, mas incluem um terceiro número, aparentemente o ano e data do lançamento. Browsando em http://vault.centos.org/centos/ , por exemplo, vê-se que estão disponíveis estas versões:

[DIR] 6.7/ 21-Jan-2016 13:22 - 
[DIR] 6.8/ 24-May-2016 17:36 - 
[DIR] 6.9/ 10-Apr-2017 12:48 - 
[DIR] 6/ 10-Apr-2017 12:48 - 
[DIR] 7.0.1406/ 07-Apr-2015 14:36 - 
[DIR] 7.1.1503/ 13-Nov-2015 13:01 - 
[DIR] 7.2.1511/ 18-May-2016 16:48 - 
[DIR] 7.3.1611/ 20-Feb-2017 22:23 - 
[DIR] 7/ 20-Feb-2017 22:23 -

E, sim, é necessário especificar o terceiro número no teu comando/ficheiro de configuração.

Podes também ter de activar as várias entradas no teu ficheiro /etc/yum.repos.d/CentOS-Vault.repo file (altera a opção enabled=0 para 1).

Fontes: 1

Deixar uma resposta